sábado, 10 de agosto de 2013

370 - Wikis e bibliotecas

Partilho a minha apresentação efetuada no Congresso Challenges 2013 na Universidade do Minho. Quando será que as potencialidades da Web 2.0 serão levadasmesmo a sério pelas Bibliotecas?



quarta-feira, 7 de agosto de 2013

369 - E quanto à realização de trabalhos pelos alunos?



Um compacto com todos os trabalhos premiados no Concurso 7 dias, 7 dicas sobre os media, que esteve em divulgação no 2º Congresso Literacia, Media e Cidadania, realizado a 10 e 11 de maio. Este concurso foi uma iniciativa do Gabinete para os Meios de Comunicação Social e da Rede de Bibliotecas Escolares em parceria com a Equipa de Recursos e Tecnologias Educativas da DGE e da Fundação para a Ciência e a Tecnologia. Nunca é demais trabalhar estes assuntos com os alunos. E as nossas bibliotecas fazem-no? 

 

sábado, 3 de agosto de 2013

368 - Namore um(a) bibliotecário(a) de referência

Namore um bibliotecário de referência

Namore um bibliotecário de referência
Sabe aquele cara que fica atrás do balcão, 8 horas por dia na frente de um computador, e que vez ou outra você vai até ele perguntar se não tem mais nenhum exemplar de cálculo do Swokowski?  O cara para quem você jura que não tem nenhum exemplar de Dinâmica do Hibbeler e que te responde que no sistema tem cinco disponíveis para empréstimo? Aquele que, as vezes, você quase quase derruba na corrida até as estantes para pegar o último exemplar de Circuitos Elétricos do Johnson? (Ah, da próxima vez, derrube-o, porque esse cara precisa sorrir mais, surpreender-se mais e coisa e tal). Pois é, esse cara é o bibliotecário de referência. 
Problemas com alguma norma da ABNT? Com paginação do Word? Não consegue achar aquele artigo que seu orientador falou que é indispensável para seu TCC, sua dissertação ou  tese? Aquele programa que joga as referências automaticamente no Word… qual é mesmo? Só o bibliotecário de referência saberá, portanto, corra até ele, afinal o prazo do seu trabalho já está acabando! Não que ele vá resolver todos os seus problemas, mas certamente vai jogar uma luz sobre as trevas, pois se não te der uma resposta, no mínimo vai te encurtar o caminho até ela. Sim, vai. Pode confiar. O caminho pode ser mais curto do que a distância da mesa dele e aquela mesa de estudo que você sempre senta.
O bibliotecário de referência é um navegante nesse mar informacional chamado Web, deixa o Google no chinelo! É muito mais refinado porque conhece os atalhos para chegar até a informação de que você precisa, muito mais perspicaz porque se desdobra para entender sua questão, muito menos máquina porque muito mais humano. É o cara capaz de entender aquilo que você realmente precisa, aquilo de mais imaterial que reside no fundo da sua mente, no âmago da sua dúvida. Resumindo, um poço de sabedoria, mas também um eterno e humilde aprendiz, pois as bases de dados sempre mudam, a quantidade de informação conhecimento cresce assustadoramente a cada ano, ou seja, é impossível aprender tudo sozinho, por isso, precisa de você para ensiná-lo. Sua única certeza é a de que o ciclo da informação gera uma dúvida, que gera uma questão, que gera a busca para a solução. Claro que o  bibliotecário de referência está nesse ciclo (existem vários modelos, não se fruste se não encontrar este no Google, ok?) mas como ele trabalha com o público, é seu dever sempre esclarecer tudo.
Portanto, procure-o, consulte-o, faça-o perder horas procurando uma coisa só para você. Isso mesmo: só para você! Deixe-o louco com as suas interrogações: morrer com a dúvida pode ser muito mais doloroso do que ter desperdiçado a chance de solucioná-la. Ou melhor, ter desperdiçado a chance de solucioná-la a dois, pois todos sabemos que duas cabeças pensam melhor do que uma.
Peça e será atendida. Sempre.