sexta-feira, 31 de maio de 2013

354 - Mensagem a um aprendente


A aprendizagem dá algum trabalho para ser bem sucedida, requer treino, erro, repetição, memorização e espírito de sacrifício, mas quem não gostoa do resultado? o uso das bibliotecas poderá ser u´til para percorrer ete caminho.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

353 - Pergunto-me e procuro descobrir

Não será este o princípio do conhecimento? Querer ver melhor! não se acomodar! ver o que estará para além de...

É ou não é esta a espantosa originalidade do ser humano? ousar, perguntar, deslubrar-se...

Querer superar os limites? transcender-se?

É por isso que existirão sempre bibliotecas e laboratórios. Para que se leia, se descubra, para que se experimente e teste. 

Bibliotecas, tecnologias, aprendizagem. Um trio sempre ligado porque a vida é mesmo assim! 


segunda-feira, 27 de maio de 2013

352 - Pensa antes de...

Eis um bom e eficaz slogan tão útil e necessário nos tempos que correm em que publicar conteúdos na NET se tornou tão simples que basta um click.

Pois, é exatamente por ser tão imediato que é necessário parar um segundo e pensar!

Isto vale de sobremaneira para as republicações e para as publicações virais.
- Será mesmo verdade o que dizer de ou acerca de?
- Ajudará a causa republicar?
- É mesmo necessário publicar? há já tanto lixo na Internet! o que se acrescenta de novo com a publicação?
- Com a publicação ofendseremos/injuriamos alguém? ou seremos simpáticos?

Just THINK antes de publicar. Não é por todos o fazerem que não é necessário PENSAR!

Este é um lema mesmo muito necessário: PENSA!!! perante a máquina, mostra que és tu que pensas! 

quinta-feira, 23 de maio de 2013

351 - EuroDIG 6ª edição









Obrigado Fátima Dias
---

 
Lisboa,  20-21 de junho de 2013
 Plataforma de discussão sobre temas emergentes relacionados com a governação da Internet a nível europeu, a 6ª edição do EuroDIG é uma coorganização da FCT, Portugal Chapter da Internet Society (ISOC Portugal) em associação com Gabinete para os Meios de Comunicação Social (GMCS) e com o apoio institucional do Centro Norte Sul – Conselho da Europa.
Regulação da Internet, comércio eletrónico, questões segurança e privacidade, proteção dos direitos humanos e dos direitos dos consumidores, acessibilidade e inclusão digital, e acesso aberto aos conteúdos digitais, serão os temas a abordar.

Participação gratuita, sujeita a inscrição até 16 de Junho.

350 - Plataforma digital dedicada à divulgação de projetos de Jornais escolares desenvolvidos nas escolas, públicas ou privadas, de todos os níveis de ensino.

Obrigado Helena Duque
---
 
Plataforma digital dedicada à divulgação de projetos de Jornais escolares desenvolvidos nas escolas, públicas ou privadas, de todos os níveis de ensino.

Conhece a NOVA  área de Jornais escolares da Direção-Geral da Educação!

Vale a pena explorar e aderir:

formularioje

Aceda a esta iniciativa em http://jornaisescolares.dge.mec.pt

Fonte:http://erte.dge.mec.pt/index.php?action=view&id=1217&date_id=1293&section=9&module=calendarmodule&src=%40random45f6c604df5ef


Direção-Geral da Educação promove iniciativa sobre boas práticas de Jornais escolares

(Publicada em 10-05-2013)
A Direção-Geral da Educação acaba de lançar uma plataforma digital dedicada à divulgação de projetos de Jornais escolares desenvolvidos nas escolas, públicas ou privadas, de todos os níveis de ensino.
Esta iniciativa tem como objetivo não apenas apoiar como fazer a divulgação de boas práticas de utilização de jornais em contexto educativo, dando conta do trabalho realizado pelos docentes, nas escolas, com os seus alunos.
Pretende-se ainda, dotar os docentes, os alunos e as escolas de conhecimento e ferramentas que os habilitem a fazer a edição digital dos seus jornais, dando origem a novos formatos ou, até, a novos projetos.
Para o efeito, os professores coordenadores dos projetos de Jornal Escolar poderão registar, através de um formulário em linha, o jornal que dinamizam no seu agrupamento / escola. Findo o processo de registo, o Jornal, após aprovação, será publicado numa ficha específica  e ficará visível para os utilizadores da plataforma digital.
Aceda a esta iniciativa em http://jornaisescolares.dge.mec.pt

terça-feira, 21 de maio de 2013

349 - Visita de estudo à Finlândia: The teaching profession, teacher education and basic education VIII

Ser professor na Finlândia



Um dos aspetos centrais da minha visita à Finlândia e que acaba por ser a descoberta da "chave" que permite explicar o sucesso do sistema educativo Finlandês e onde acho mesmo que a diferença se faz, relativamente a outros paises, é a forma como a sociedade vê a profissão docente. Ser professor nesse país é muito bem visto e, deste modo, muita gente deseja esta profissão.

Isto muda tudo! Havendo muitos candidatos à docência a Universidade pode selecionar os melhores e investir neles, preparando-os convenientemente. Como resultado há sempre muito bons orientadores de estágio, professores estagiários, ligação entre universidades e escolas, teoria e prática.

A partir daqui tudo muda: muda a confiança que se tem nos professores e nos alunos, muda a autoestima, muda a forma como cada um se envolve na vida da escola.

A confiança dos filandeses neste sistema é tal que acabaram com a inspeção da educação e o controle sobre escolas e professores. Reina a confiança!

---
Tudo isto acaba por ser um ciclo vicioso que acaba por não poder ser transferível para países como Portugal no qual se corre até o risco de abrir vagas para docentes em determinados grupos especializados e não haver candidatos... Escolhe-se quem vier...

---
Tanto se fala em reforma do estado, talvez fosse bom pensar-se o que se espsra das escolas? Queremos, desejamos, ansiamos por um ensino de qualidade ou não? amamos os nossos professores? cuidamos deles? damo-lhes  dignidade? (dão eles próprios tiros no pé?




quinta-feira, 16 de maio de 2013

348 - A Internet das coisas e a Web 3.0 II

Após publicar o post anterior, dei de caras com o vídeo abaixo. Esta é uma abordagem complementar sobre as mudanças que a emergência da Internet e da Web 2.0 nos trouxeram e que tem consequências irreversíveis na forma como aprendemos, lemos e trabalhamos.

Esta ideia do hipertexto, da colaboração, da participação, da constante reformulação a partir de novas aprendizagens...

Estamos mesmo a caminho de um futuro promissor que nos obriga a repensar a forma como organizamos a escola e as bibliotecas preparando os nosso alunos para empregos que ainda não existem mas, nos quais, a capacidade de pensar e repensar é absolutamente indispensável.

   

terça-feira, 14 de maio de 2013

347 - A Internet das coisas e a Web 3.0

Este vídeo já tem uns tempinhos mas constitui uma ótima ocasião para refletirmos sobre os desenvolvimentos atuais e futuros da Internet. ... 
Ao longo do tempo da existência da Internet fomos passando de uma base de dados sobre pessoas e seus conhecimentos ou factos passados para passarmos agora a ter uma Internet:

- Participativa e colaborativa, para todos, de utilizador comum para utilizador comum de acordo com os seus interesses;

- Semântica, de acordo com o perfil e necessidades dos utilizadores - Creio bem que isto já é uma realidade nos dias de hoje. Basta ver as respostas que a google nos dá sempre que fazemos uma pesquisa e já estamos logados com a nossa ID;

- Que nos fornece um conjunto de dados sobre coisas e objectos obtidos por sensores. Uma análise que deixa de ser feita por humanos e passa a ser feita por sistemas de sistemas cuja integração aumenta a eficiência desses próprios sistemas. E melhora a vida dos humanos!

Sim, já estivemos mais longe deste último desenvolvimento!


sábado, 11 de maio de 2013

345 - Listagem de bibliotecas 2.0

Alguns exemplos de boas práticas 2.0 nas bibliotecas portuguesas:
(lista incompleta, pode ser actualizada no http://delicious.com/alvimluisa/bundle:Bibliotecas_2.0, e irá ser comentada, nos próximos posts, e actualizada com ajuda de todos)

twitter
Biblioteca Municipal de Grândola

Blogues (aqui a lista é muito incompleta...a ser completada brevemente)
Biblioteca da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa
Biblioteca Municipal do Funchal
Bibliotecas Municipais de Oeiras
Bibliotecas escolares !Centenas ! consultar blogrolls dos blogues Rato de Biblioteca e Bibliotecas em Portugal

Flickr
Biblioteca de Arte Gulbenkian
Biblioteca Municipal de Figueiró dos Vinhos
Casa de Camilo. Museu. Centro de Estudos

live space
Biblioteca ISCA Universidade de Aveiro

Wiki
Casa de Camilo. Museu. Centro de Estudos

RSSBiblioteca Lúcio Craveiro da Silva

bibliografia
Alvim, Luísa (2007). Blogues e Bibliotecas: construir redes na Web 2.0. Cadernos BAD. Lisboa. ISSN 0007-9421. Nº1, p. 38-74.
Alvim, Luísa (2009). http://delicious.com/alvimluisa/bundle:Bibliotecas_2.0
http://delicious.com/alvimluisa/bundle:Blogues
Vivam as bibliotecas vivas!

sexta-feira, 10 de maio de 2013

344- Listagem de bloguesbibliotecários iberoamaricanos


346 - Entrega de prémios do concurso Pordata

Tive hoje a oportunidade e a felicidade de participar na cerimónia de entrega dos prémios do concurso Pordata 2013. Confesso que fiquei muito satisfeito por ver que os alunos deste país são capazes de investigar e de pensar a partir de um conjunto de dados obtidos a partir da Internet.

De acordo com os critérios estabelecidos, e em face da quantidade e qualidade dos trabalhos recebidos na 3ª edição do Concurso PORDATA/ RBE, o júri decidiu premiar os seguintes trabalhos:

Estranhos ímpares

Escola Básica e Secundária de Vale de Cambra
Autores João Carlos Muacho, Luciana Vasconcelos e Tiago Rocha

A pobreza em Portugal: a obrigação moral de combater a pobreza

Escola Secundária de Cantanhede
Autores Ana Filipa Oliveira e Maria Inês Simões

Entendeu, ainda, o júri, assinalar com uma Menção que distinguiu a criatividade demonstrada na produção e realização vídeo, o trabalho:

Nível de vida em Portugal

Escola Secundária Vergílio Ferreira, Lisboa
Autores André Cunha, António Ferreira e Rita Pires

---
Esta emtrega de prémios e o concurso mereceu espacial destaque na edição do jornal "O público" de hoje.
Vale a pena, a partir deste link ,  ler a reportagem e o vídeo que constitui o trabalho dos alunos da Escola de Vale de Cambra.

Segue um exercerto do artigo que pode ser lido a partir do link acima...



 

Alunos do secundário vencem concurso Pordata com trabalhos sobre assimetrias regionais e pobreza

Alunos do 11.º ano de escolas de Vale de Cambra e Cantanhede foram escolhidos entre os 50 projectos que este ano concorreram.
De que forma as assimetrias regionais condicionam a vida dos portugueses? E quais são as consequências da pobreza e o papel do Estado no seu combate? Foram estas as questões lançadas pelos dois trabalhos realizados por dois grupos de alunos, um de uma escola de Vale de Cambra e outro de Cantanhede que venceram a edição deste ano do concurso Pordata-Rede Bibliotecas Escolares (RBE). Os prémios são entregues na tarde desta quinta-feira, em Lisboa.
João Carlos Muacho, Luciana Vasconcelos e Tiago Rocha, alunos do 11.º ano, orientados pelo professor de Geografia Adelino Pinho na Escola Básica 2,3/S de Vale de Cambra, foram escolhidos pelo trabalho em vídeo Estranhos Ímpares. Ao longo de oito minutos, dados encontrados no site da Pordata foram utilizados para “confirmar de que forma as assimetrias regionais condicionam a vida dos nossos concidadãos”.

ler mais e ver o filme aqui
---

Vivam os alunos vencedores, os professores, a Pordata e as boas Bibliotecas Escolares!


quarta-feira, 8 de maio de 2013

343 - Visita de estudo à Finlândia: The teaching profession, teacher education and basic education VIII


Qual o segredo do sistema educativo Finlandês?

Já referi em post anteriores algumas tentativas de resposta para esta questão: Confiança absoluta no sistema, boa escolha dos professores (sendo uma profissão valorizada há mais e melhores candidatos), uma boa gestão, escolas bem equipadas e...

O currículo! 

Há algo que nunca deixo de ver quando vou ao estrangeiro e visito escolas e a Finlândia não foi exceção: existem oficinas em todas as escolas, todas elas muito bem equipadas e todas as crianças no primeiro ciclo têm oportunidade de trabalhar com as mãos: Madeira, texteis, metais. Depois continuam com um leque mais alargado de escolhas nestas áreas: cozinha, electricidade, ... Os finlandeses têm até um lema: "mãos e cérebro". We believe that what you are doing with your hands help's your brain". Eu também acredito! um ser humano não é só cérebro e a atividade manual ajuda-o a compreender e a descobrir o mundo (não andou Piaget a observar os bébés e os seus movimentos circulares na tentativa de apreensão do mundo que os rodeia?)

Na Finlândia quem quer ser professor do ensino básico tem que ter 3 créditos de "educação para os ofícos/artesanato", outros 3 relativos a matérias mais técnicas (tecnologias metais e outros materiais) e ainda outros 6 de educação musical. 

Estou plenamente convencido que  ocaminho que Portugal trilhou desde 2001 está completamente errado e iremos pagar isso muito caro!







terça-feira, 7 de maio de 2013

342 - O uso racional da informação

@

Meio século antes da invenção do correio electrónico, T. S. Eliot perguntou: "Onde é que está a sabedoria que perdemos em conhecimento? Onde é que está o conhecimento que perdemos em informação?" Se ele hoje fosse vivo, ao contemplar uma caixa de entrada de correio electrónico num computador cintilante, poderia muito bem acrescentar: "Onde é que está a informação que se perdeu em trivialidades?"


SHASHI THAROOR 13/02/2013 - 19:23


Texto completo em pdf, aqui , para os que não dispoem de assinatura digital. Para os demais, aqui: http://www.publico.pt/opiniao/noticia/a-caixa-de-entrada-de-pandora-1584386
Agradeço à Maria José Vitorino a partilha

domingo, 5 de maio de 2013

341- How to Get Students Ready for Learning

Estes são o tipo de coisas tão evidentes para o sucesso escolar dos alunos que não deixa de nos causar uma profunda preocupação todas as medidas de contenção orçamental para a educação. É caso para repetir que "Se a educação é cara, experimentemos a ignorância".

O essencial da mudança das práticas daquela escola está sintetizado ao minuto 1,49 do filme. Os resultados de matemática e de leitura melhoraram significativamente...




sexta-feira, 3 de maio de 2013

340 - Há por aí muito boas bibliotecas do 1º Ciclo

Envolto em trabalho que nunca mais acaba há visitas a bibliotecas que nos marcam! Vem isto a propósito de uma visita a uma biblioteca de uma escola do 1º Ciclo lá para as bandas do Seixal que efetuei hoje.

Para alguns, o trabalho da biblioteca parece ser pejado de escolhos, dificuldades e entraves, para outros estas existem mas muito fazem e muito acontece. Não sei se será uma questão de copo meio vazio ou meio cheio mas, aqui e hoje, tudo fazia sentido.

Uma exposição organizada em parceria com a Câmara Municipal e na qual os pais e a comunidade se envolveram e onde se apresentava a história e cultura de Cabo Verde e onde foram convidados escritores Cabo-verdianos para virem à escola. Esta foi e é uma boa oportunidade de aprendizagem  de um mundo e cultura diferente e de integração na escola da cultura de muitos alunos (e respetivas famílias) que nela estudam.
  


















A par com a exposição, viam-se evidências da exploração do Kit do projecto SOBE (Saúde Oral e Bibliotecas Escolares). Gostei de ver os miúdos a virem, a partir da sua livre iniciativa, à biblioteca a fim de se medirem e de explorarem alguns materiais pedagógicos relacionados com a Saúde Oral. Em cima de uma estante estavam várias embalagens de caixas de dentrífico que irão servir para construir mobiles, sendo que estas caixas tinham sido trazidas pelos alunos a partir das suas casas, evidenciando a preocupação com a lavagem dos dentes. 







































Noutro espaço da Biblioteca, alguns professores e auxiliares preparavam lembranças (porta chaves) para o dia da mãe que se aproxima. Gostei de ver alguns pequenos a construirem a sua oferta!


















Por fim, chega uma Encarregada de Educação com uma turma da Pré para lhes contar uma história sobre o dia da mãe( Coração de mãe)!

Como não hei-de ficar cheio com esta visita? Quais os motivos pelos quais em outras bibliotecas parece que pouca coisa acontece?

Quero ver mais bibliotecas destas  





quarta-feira, 1 de maio de 2013

339 - Como matar um Biblioteca

Com a devida vénia à Maria José Vitorino

---

Como matar uma biblioteca...

Como diria o meu pai, que era um filósofo, "Há muitas maneiras de esfolar um gato". Acrescentaria que há mais do
que algumas maneiras de matar uma biblioteca.
Por exemplo:
√ Deixe de acreditar na missão das bibliotecas. Quem é que acredita mesmo na liberdade de ler, de aprender e de descobrir?
√ Passe menos tempo com a Direcção. A Direcção ideal de uma biblioteca pública deve encontrar-se 4 vezes por ano e concorda com tudo o que o seu Presidente/Director/Administrador recomenda.
√ Pare de falar com os utilizadores. Que é que eles percebem disto, afinal? E na mesma linha, deixe de consultar o pessoal. É um colossal desperdício de tempo.
√ Não se rale com o futuro e como l+a chegará. Sustentabilidade não é um assunto com que as bibliotecas precisem de se preocupar. No fim de contas, sobrevivemos centenas de anos.
√ Deixe de contar a história da biblioteca. Toda a gente já a ouviu.
√ Aceite que a biblioteca é antiga, e que não é preciso continuar a renovar, pintar, e actualizar. Ela é o que é.
√ Aceite que tal como o café instantâneo matou o café em grão, o e-book matará o livro impresso.
√ Deixe de promover o seu produto: toda a gente entende de literacia e de aprendizagem ao longo da vida.
√ Deixe de dar autonomia ao pessoal, e pare com a sua formação. Devem chegar a nós completamente formados.
√ Pare com essa conversa toda sobre inovação. Só serve para dar mais trabalho.
√ E por amor de Deus, pare de mudar as regras e as nossas tradições. É uma chatice!


(trad. Maria José Vitorino)

 
 

How to kill a library… #39: 2012

Posted in on a + note by flickfancy on November 5, 2012
As my Dad, who was quite a philosopher, would say “There are many ways to skin a cat.” I would add that there are more than a few ways to kill a library.
For example:
√ Stop believing in the libraries mission. Do we really believe in the freedom to read, learn and discover?
√ Spend less time with the board. The ideal public library board would meet 4 times per year and agrees with everything the CEO recommended.
Stop talking to your customers. What do they know any way? And on the same topic, stop consulting staff. It is a huge time waster.
√ Don’t worry about the future and how you will get there. Sustainability is not an issue with which libraries need to be concerned. After all, we’ve have survived for hundreds of years.
√ Stop telling the library story. Everyone has heard our story.
√ Accept that the library building is old and you don’t need to keep renovating, painting, and updating it. It is what it is.
√ Accept that just like instant coffee killed the coffee bean, the e-book will kill the printed book.
√ Stop promoting the product; everyone knows about literacy and lifelong learning.
√ Stop empowering staff, and stop training them. They should come to us fully trained.
Stop all this talk about innovation. It just makes for more work.
And, for heaven’s sake, stop changing the rules and our traditions. It’s annoying!
Have a swell week! LOL!
Kitty Pope #39 November 2012
kpope@library.guelph.on.ca